sábado, outubro 30, 2010

Cantar uma Poesia



Seria fácil se eu fosse Pessoa
É fácil porque conduzo meus escritos
Para quem queria ler.
O mundo está pobre de cultura,
Cantar pra quem?
Vida pede trabalho,
Miséria de salário
Nada de comida
Alguém a escutar meu pranto?
Se, seus ouvidos não me alcançam?

Canto poesia ainda por estar no meu sangue,
Mas, de vida labuta,
Jamais desistirei de plantar meus versos,
Creio que chegará hora das criancinhas
Cantarem
Versejar
Palavras,
Vírgulas,
Pontos,
Reticências...
Antes de o meu repousar, espero
Para assistir tudo isto
Sem que o mundo ainda
Em desenvolvimento
Não exploda com tantos aquecimentos.

Paola Vannucci
30/10/2010

quarta-feira, outubro 13, 2010

Bienal do Livro de Curitiba




Nos primeiros dez dias do mês de outubro deste ano aconteceu a 1ª Bienal do Livro do Paraná. Um local de grande estímulo para a formação de novos leitores e a realização pessoal de quem já está inteirado com o mundo das palavras. Um evento magnífico onde se encontraram ilustres escritores, poetas e demais profissionais do livro, os quais tive oportunidade de conhecer, trocar idéias, sonhos. Pude vivenciar em dois dias, contatos e conhecimentos importantíssimos. Falar de cultura, investigar a literatura faz parte do nosso engrandecimento.

Segundo a imprensa, divulgadora do evento, estimou-se um público perto dos 200 mil visitantes, todavia não pude constatar isto; nos dois dias que estive lá notei certo vazio - dava até pra fazer piruetas entre os corredores - andei livremente e procurava algo de interessante para fotografar. A imprensa relatou a presença de escolas chegando afirmar a freqüência de 30 mil alunos. Cabe aqui ressaltar que o espaço é ínfimo; não caberia nem 10 mil pessoas. O local é pequeno, mas estratégico, sendo que se fosse bem divulgado atrairia um público substancialmente maior. Notei outro detalhe mais agravante: a ausência das escolas públicas. Após o evento, uma professora de uma escola da Rede Pública de Ensino me confidenciou que não ouvira falar do acontecimento grandioso da cidade. O “Estação Convention Center” fica dentro de um dos Shoppings mais freqüentados de Curitiba, e lá visitam diariamente jovens de todos os níveis sociais e culturais. Incrivelmente soube de pessoas que estavam indo a bienal faltando meia hora antes do término geral do evento. Saindo do evento no último dia, um funcionário relatou-me má estrutura de organização e divulgação, apontou-me cartazes colocados em lugares inadequados. Ele me disse textualmente “desça até a praça de alimentação do shopping e veja como lá não tem espaço para se ‘locomover’”. De fato, como pude confirmar aquele local estava lotado, e um maior critério na colocação dos cartazes era o mínimo que se poderia esperar.

Acho importante o avanço cultural que nosso país está atravessando, contudo o desenvolvimento sem estruturação de objetivos não leva a lugar algum. Deveria haver uma parceria entre o governo e os empresários da área para dar educação necessária a aqueles que realmente precisam. É bom que esses encontros aconteçam, seria melhor se alcançassem pessoas que realmente necessitam de aprendizado. O papel das escolas é fundamental neste processo, ao dar um mundo mais justo para os alunos cansados de serem maltratados por seus familiares e pela sociedade. Os passos de uma educação diferenciada dependem de inovação e de educação de qualidade que possam mostrar aos nossos jovens e crianças condições de um futuro melhor.

Os olhos das crianças brilham pelo novo, elas buscam o desejo do aprendizado e, quando oferecemos jogos, livros, brincadeiras, elas tem outra visão do que é a vida. Hoje em dia crianças morrem nos motéis de overdose com apenas treze anos; meninas aprendem a apontar armas as suas próprias bonecas, quando deveriam aprender a brincar e se envolver socialmente com outras crianças.

Cheguei nesta cidade há uma década e meia e não via boca de fumo e tão menos mendigos nas ruas. Atualmente mal posso sair de casa e cruzo com ‘ladrãozinho’ que me fita de cima a baixo; é claro que ele sabe onde moro e também sabe os horários que estou trabalhando e os horários dos meus filhos dentro de casa. Qual a educação que ele teve? Que Brasil estamos criando? Um país onde a questão do aborto é covardemente discutida pelos nossos presidenciáveis e a educação é deixada de lado.

Este evento contou com presenças importantíssimas do nosso meio cultural, Rubem Alves, Fabrício Carpinejar, Alberto Martins, Malvine Salcberg, Ana Paula Vosne,Affonso Romano Sant‘Anna, Marcelo Madureira, Cleu Busatto, Orlando Paes Filho, dentre outros, e todos pertinentes com seus comentários em debates também abertos ao público.

A Bienal do Livro foi um espaço onde aprendi e agradeci por tudo que vi, atividades foram fartas durante os dez dias, mais de setenta horas de programação entre, lançamentos, curiosidades, produtos diversos, excelente programação, liberdade de expressão nos debates, nas críticas. Um evento grandioso, mas que pecou na divulgação.

Tenho profunda tristeza pela falta de formação cultural que há neste país.

Uma pena!

Paola Vannucci

12/10/2010

quinta-feira, outubro 07, 2010

Leões das florestas



Vida que devo deixar para meus filhos,

Se não protestar algo.

Como irei tentar melhorar o mundo?

Sei que minhas palavras são poucas,

Falta levantar multidões,

Falta a leitura de muitos tolos,

Sei que após minha morte, muitos me lerão.

Vivo o presente,

Projetando-me até mesmo numa Bienal,

Lanço-me no mundo adorando meu trabalho,

Leio para os tais,

Leio em meio à escuridão.

Sei que ainda nesta vida,

Meu nome será mencionado.

Vida tristemente sentida,

Sofro, porque ainda luto em vão.

Sofro porque pabolas existem,

Meu coração chora,

Sofro pela fome deste mundo,

Ganância de políticos.

Vida que serviria para amar um grande amor,

Pertence para quem tem peixeira nas mãos.

E que

Vençam os leões das grandes florestas.

Que ainda lutam por dignidade.

Paola Vannucci

06/10/2010