quinta-feira, março 29, 2007

FLAMBOYAN




Suas diversas tonalidades lembram-me o surgir de uma grande amizade, lembra o sol nascer com profundas cicatrizes marcadas por uma noite ardente.

Aquela mulher torturada por seu marido que simplesmente a deseja e ela não, aquele homem que suspira em vão...

Você já viu homem suspirar?

Eu não....

Mas a árvore cresce e dá bons frutos, assim é o que se esperaflores coloridas primavera alegre, outono quente, o tempo pirou, mas a brisa ainda é leve...

Vivamos o florir de um flamboyan.

Vivamos a alegria da vida, mas que contradição, políticos querem dar a legalidade do aborto ao invés de dar informação e oportunidade de desenvolvimento ao povo.

Lamentável é o florir da árvore se não temos nada de dignidade.....


PAOLA VANNUCCI
29/03/07

segunda-feira, março 26, 2007



Conversar é preciso.


Hoje estava conversando com uma pessoa muito querida, e no meio da conversa surgiu um grande papo cabeça que adorei e compartilho parte da nossa conversa com todos ...

Divirtam-se!!!
Também estou devendo uma parcial sobre a Discriminação Racial.
Mas andei pensando.... A luta continuará porque muitos ainda são ignorantes e não enxergam que o mundo era um só, simplesmente a natureza e a ação das placas tectônicas separaram as terras... O homem que se diz muito intelegente não sabe deferenciar uma pessoa do bem e do mal.
Quer saber, meu parecer é pouco mas está dado.
Enquanto não tiver Educação adequada, homens se tornarão cada vez mais seres definhados.

Beijos Paola




Biografia de Pierre Verger



Pierre Verger nasceu em Paris, no dia quatro de novembro de 1902. Desfrutando de boa situação financeira, ele levou uma vida convencional para as pessoas de sua classe social até a idade de 30 anos, ainda que discordasse dos valores que vigoravam nesse ambiente. O ano de 1932 foi decisivo em sua vida: aprendeu um ofício - a fotografia - e descobriu uma paixão - as viagens. Após aprender as técnicas básicas com o amigo Pierre Boucher, conseguiu a sua primeira Rolleiflex e, com o falecimento de sua mãe, veio a coragem para se tornar um viajante solitário. Ela era seu último parente vivo, a quem não queria magoar com a opção por uma vida errante e não-conformista.
De dezembro de 1932 até agosto de 1946, foram quase 14 anos consecutivos de viagens ao redor do mundo, sobrevivendo exclusivamente da fotografia. Verger negociava suas fotos com jornais, agências e centros de pesquisa. Fotografou para empresas e até trocou seus serviços por transporte. Paris tornou-se uma base, um lugar onde revia amigos - os surrealistas ligados a Prévert e os antropólogos do Museu do Trocadero - e fazia contatos para novas viagens. Trabalhou para as melhores publicações da época, mas como nunca almejou a fama, estava sempre de partida: "A sensação de que existia um vasto mundo não me saía da cabeça e o desejo de ir vê-lo me levava em direção a outros horizontes".
As coisas começaram a mudar no dia em que Verger desembarcou na Bahia. Em 1946, enquanto a Europa vivia o pós-guerra, em Salvador, tudo era tranqüilidade. Foi logo seduzido pela hospitalidade e riqueza cultural que encontrou na cidade e acabou ficando. Como fazia em todos os lugares onde esteve, preferia a companhia do povo, os lugares mais simples. Os negros monopolizavam a cidade e também a sua atenção. Além de personagens das suas fotos, tornaram-se seus amigos, cujas vidas Verger foi buscando conhecer com detalhe. Quando descobriu o candomblé, acreditou ter encontrado a fonte da vitalidade do povo baiano e se tornou um estudioso do culto aos orixás. Esse interesse pela religiosidade de origem africana lhe rendeu uma bolsa para estudar rituais na África, para onde partiu em 1948.
Foi na África que Verger viveu o seu renascimento, recebendo o nome de Fatumbi, "nascido de novo graças ao Ifá", em 1953. A intimidade com a religião, que tinha começado na Bahia, facilitou o seu contato com sacerdotes, autoridades e acabou sendo iniciado como babalaô - um adivinho através do jogo do Ifá, com acesso às tradições orais dos iorubás. Além da iniciação religiosa, Verger começou nessa mesma época um novo ofício, o de pesquisador. O Instituto Francês da África Negra (IFAN) não se contentou com os dois mil negativos apresentados como resultado da sua pesquisa fotográfica e solicitou que ele escrevesse sobre o que tinha visto. A contragosto, Verger obedeceu. Depois, acabou encantando-se com o universo da pesquisa e não parou nunca mais.
Nômade, Verger nunca deixou de ser, mesmo tendo encontrado um rumo. A história, costumes e principalmente a religião praticada pelos povos iorubás e seus descendentes, na África Ocidental e na Bahia, passaram a ser os temas centrais de suas pesquisas e sua obra. Ele passou a viver como um mensageiro entre esses dois lugares: transportando informações, mensagens, objetos e presentes. Como colaborador e pesquisador visitante de várias universidades, conseguiu ir transformando suas pesquisas em artigos, comunicações, livros. Em 1960, comprou a casa da Vila América. No final dos anos 70, ele parou de fotografar e fez suas últimas viagens de pesquisa à África.
Em seus últimos anos de vida, a grande preocupação de Verger passou a ser disponibilizar as suas pesquisas a um número maior de pessoas e garantir a sobrevivência do seu acervo. Na década de 80, a Editora Corrupio cuidou das primeiras publicações no Brasil. Em 1988, Verger criou a Fundação Pierre Verger (FPV), da qual era doador, mantenedor e presidente, assumindo assim a transformação da sua própria casa num centro de pesquisa. Em fevereiro de 1996, Verger faleceu, deixando à FPV a tarefa de prosseguir com o seu trabalho.

quarta-feira, março 21, 2007

Dia Contra a Discriminação Racial


Exposição ´´Lá e Cá`` mostra mercados angolano e brasileiro
Composta por 438 fotografias a cores e a preto e branco, com tamanhos 20 por 30 a 100 por 150, a exposição ilustrou os aspectos mais pitorescos dos mercados de maior popularidade nas duas cidades, numa demonstração e apresentação da união e encontro entre as culturas dos dois povos. Foi em janeiro deste ano em Salvador Bahia.
=============================================================

Dia 21 de Março é o Dia Internacional Contra a Discriminação Racial. A data foi instituída pela ONU desde 1969 para lembrar os horrorres vividos por negros durante o regime do Apartheid na África do Sul.

De acordo com a lei brasileira, racismo é um crime inafiançável. Mesmo que digam que o Brasil é um país de mistura de raças e que todas convivem em harmonia, não é bem isso que acontece na prática.

O Brasil tem uma população de afrodescendentes que ultrapassa 70 milhões de pessoas, entre negros e pardos. Eles formam um contingente enorme de pessoas que ainda sofrem com as desigualdades econômicas e sociais. Índios e indivíduos de cor, etnia, religião ou origem diferente também são minorias esquecidas e vítimas de discriminação.

Pesquisas do Núcleo de Consciência Negra da USP mostram que o salário médio do homem negro corresponde à metade do que recebe um homem branco. Para a mulher, a renda é menor ainda: 33,6% se comparada a uma branca.

A Universidade de São Paulo tem apenas 1% de negros entre seus alunos, mesmo tendo um sistema de cotas polêmico que tenta corrigir esse desequilíbrio, garantindo vagas pelo critério racial.

Dados recentes revelam que 51% dos negros declararam já ter sofrido discriminação por parte da polícia. Foi por isso que o jovem dentista Flávio Ferreira Santana, de 28 anos, morreu em 2004. Ele era negro e foi assassinado por policiais em São Paulo, após ser confundido com um assaltante. O corpo foi encontrado pela família três dias depois no IML, Instituto Médico Legal.

A irmã da vítima, Marinela Ferreira Santana esteve no programa e contou que dos 5 policiais envolvidos no assassinato de Flávio, 3 já foram julgados e condenados a 17 anos e meio de prisão, além de perderem a farda. Dois policiais envolvidos ainda estão em liberdade, estão afastados da polícia e aguardam julgamento, que ainda não tem previsão para acontecer.

Também participando do papo no Mais Você, o ator Milton Golçalves afirmou que já sofreu muitos preconceitos e discriminação. O ator chegou a tentar a carreira política, nos anos 90, quando se candidatou a governador do Estado do Rio de Janeiro. Acha que sua obrigação, como cidadão, é lutar por um Brasil melhor, começando pela educação, que segundo Milton, deve ser a base de toda sociedade. O ator tentou desmitificar a idéia de que o preconceito é coisa do passado no Brasil. Tomou como exemplo nunca ter visto um gerente de banco negro e pouco se deparar com caixas de banco negros. "Na Bahia, o Estado mais negro do país, não tem governantes negros!", enfatizou Milton.


Marinela Ferreira Sant'ana, irmã do dentista morto por policiaisFone: (11) 9653-0522


Amanhã dou meu parecer.....

segunda-feira, março 19, 2007

Hoje estarei homenageando uma grande amiga Poeta.
Seus escritos me vem como brisas ....
Leiam!!!!

Beijos
Paola

SONHOS DE MAR(Rita Costa - 29.09.05 - Rio de Janeiro/RJ).

Tantas vezes...num fechar de olhos
consegui atravessar o mar.
Sonhando visitava um passado
que também é meu.
Lá,... caminhava...
admirando colinas...
Andei por ruas, passando sobre pontes
cheias de histórias.
Sempre em busca da pequenina casa
de pedras gastas.
Que por fora,
... parecia fria,
mas ao entrar, quanto calor eu sentia.
Eu conseguia até escutar algumas frases...
às vezes, ditas de forma tão ligeira...,
que eu achava impossível de entender.
Ah! mas o riso da criança que pela cozinha corria...
conhecia muito bem.
Fechando os olhos até imaginava o que ele queria,
o pequeno menino, só queria brincar...
ele ainda não sabia que teria um dia,
um sonho igual ao meu...
atravessar... aquele mar...
para seu passado também reencontrar.

quarta-feira, março 14, 2007

Poesia!!! Pelo dia da Poesia!!!!





Poesia...

Quem diria!que algo estranho!

Poesia...

Quem a faz são só os poetas?

Que coisa linda!

Não sentido viver o lindo dela.

Quem a faz? Que coisa bela!

Só tem verdades e não tem vergonha de se mostrar.

Poesia...

Que é feita e desfeita.

Que antes lia-se nos campos,

Hoje lê-se nas tempestades...

Que trás luz e esconde as trevas.

Poesia...

Só há um ídolo,

Da tristeza trás o sorriso infinito.

Trás o chamado...

POETA!



Fiz pensando no poeta que foi meu Pai, e dedico a todos os poetas existentes na terra ou no céu!



Paola Vannucci





Em homenagem a todos os poetas!!!!


Beijos a todos

sexta-feira, março 09, 2007

Alimento do sonho




Paixão que sinto a cada instante
Que me tormente neste passo largo e distante
Paixão voraz e constante
Alimentada num sonho insesante

Os dias passam e meus sentidos
Inconsoláveis sentidos
Sem colo a confortar-me
Que sina será a nossa, se não sonhar
O mundo cobra muito mais
Mas a dor de amar sem tê-lo é sofrida
É tortura não ter como agir
Não ter como satisfazermos
Loucura está em somente sonhar
Estar escrevendo meus sentidos....
A Paixão nos resta para alimentarmos nosso sonho

Sérá este um dia a realizar?




Paola

quinta-feira, março 08, 2007

Esperando....

Sinto-o presente, mas não tenho colo pra abraçar
Espero loucamente como se no cio estivesse
Como se não tenho colo a chorar?...
Seu calar me assusta
Seu sentir me emociona
Sua espera intensa e constante me abala
Assim como abalada estou
Assim como meu coração palpita
Chora e
Sofre
A espera nutre meu desespero por não tê-lo aqui a me confortar
Angustia
Pavor de ficar tantos dias sozinha...
Tenho medo da solidão
Choro
Grito no silêncio pra...
Ninguém me ouvir....
Os dias passam o tempo cada vez mais rápido
E
Ainda espero meu amor um dia
Sei que este dia será nosso.
A dor que sinto é longa
Mas tenho esperança
E por isso ainda estou viva!!!!
Esperando....
PAOLA VANNUCCI

sábado, março 03, 2007

Pense nisso - Divulguem!!!!!



Tendo como principal meio de divulgação a Internet, a pedofilia movimenta milhões de dólares por ano e expõe milhares de crianças indefesas a abusos que nem mesmo adultos suportariam...Para se ter uma idéia, hoje, existem Clubes de Pedofilia! Esses “Clubes” servem para “associar” pedófilos pelo mundo; onde estes podem adquirir Fotos ou Vídeos contendo Pornografia Infantil ou, pior, “contratar” serviços de Exploradores Sexuais, fazer Turismo sexual ou mesmo efetivar o Tráfico de menores e aliciá-los para práticas de abusos sexuais. E, pasmem, este circo de horrores é responsável pelo desaparecimento de crianças no mundo inteiro. Desenvolvemos um trabalho árduo, sem fins lucrativos, no combate ao crime, recebendo e repassando denúncias, com o auxílio de internautas que de algum modo, se viram diante de sites ou imagens contendo pornografia infantil ou pedofilia. Este material é analisado e encaminhado à Polícia Federal, Interpol, Ministério Público e algumas Ong´s ligadas à causa. Hoje, a nossa principal missão é a conscientização de internautas (usuários da Internet), políticos (responsáveis pela Legislação do País), as Famílias e a Sociedade como um todo, sobre a situação preocupante, imposta pela ação criminosa através da Internet – pois os riscos são inúmeros. Nossas crianças correm o risco real e imediato de serem assediadas via Internet, raptadas para contracenarem em cenas sádicas, doentias, ou ainda, de verem publicadas sua dor, sua angústia pelo sofrimento no abuso ou exploração sexual... Por isso, abrace esta causa. Denuncie!Quem denuncia salva!


Anderson e Roseane Miranda