terça-feira, abril 12, 2011



Assistindo este vídeo, lembrei que que escrevi um pequeno artigo. Abraços a todos!


Palavras poucas, mas que servem para pensar!

Você já parou para pensar o porquê que todas as pessoas são fascinadas pela corrida do ouro?
Nós temos essa tendência, a ganância prejudicando até mesmo nossos familiares mais próximos....
Mas aqui vai um fato corriqueiro e engraçado....
Na minha mesa do escritório, demoro a juntar uma grande quantidade de caneta!
São canetas!
Canetas?
Sim canetas com se fossem ouro...
Como se tivesse uma pedra de diamante dos mais valiosos.
Várias pessoas frequentam meu escritório diariamente, ou seja, fico de olho no montante de canetas....
No final do dia conto quantas canetas me restaram, e sempre a soma das canetas se alteram...
Mas quando chega numa sexta-feira a noite...
Opa!
Onde foram parar todas aquelas canetas que tinha no início da semana?
Fico pensando:
- Ah! Se canetas fosse realmente ouro...
Fico imaginando que se todos os que aqui entrassem, estariam ricos com tantos furtos das ditas cujas
E ainda lhes falo:
- Por que será que todo mundo pega canetas?

Rsrs

Meus amigos pensem:
Se num simples furtar inocente de canetas, o mundo estaria bem melhor se não tivesse esse tipo de ladrõezinhos...
Já pensou que se uma criança tem esse hábito banal futuramente poderá roubar o ouro puro do amanhã....

PAOLA VANNUCCI

sábado, abril 09, 2011

Educação


Sinto que a Educação esvai-se com o puxar de um gatilho,

Temo por nossas criancinhas,

Temo, pois não há futuro certo,

Usamos nossas dignidades

Para formar mentes incertas?

Qual é a verdadeira responsabilidade do professor?

Quantos insultos presenciamos em sala de aula?

Qual a verdadeira Educação?

A quem vamos determinar tais transformações?

Se o que vejo são transgressões mundanas, e

Covardia de mentes podres.

Pergunto:

Há algum sentido em viver?

Meu coração em pranto está,

Pois o gatilho fora puxado, e

Famílias perderam seus pequeninos,

Famílias pouco estruturadas,

Definharam pela derrota da sociedade, que nada faz,

Além do que seu olhar cego, permite.

Comparamos outros países que debulharam corpos ao vento.

Não precisamos de comparações

Precisamos de condições

Precisamos de igualdade e liberdade

Precisamos enfim do aluno que aprende como águia

E porta numa sociedade rica de opiniões.

Educação quase morta, revira escombros

De multidões carentes,

Para encontrar no vazio, respostas coerentes

Aos tais problemas respondidos em salas de aula.

Educação firme que jamais perde a esperança!

Meu coração carente está em pranto

Pois aqui se vive as

Faces da morte!

Paola Vannucci

09/04/2011