Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2007
PENSO SEMPRE NA VIDA E NA CONDIÇÃO EM QUE EXISTO NELA
PENSO NAS SITUAÇÕES ACONTECIDAS
E NO MAL CONQUISTADO QUE NAO NOS PERTENCE
PENSO NA ALEGRIA QUE SUFOCA A TRISTEZA POR UM SIMPLES GESTO DE CARINHO
CARINHO OFERTADO NUMA AJUDA HUMANITÁRIA E SEM INTEÇÕES
ACHO PENA QUE PESSOAS AINDA ME FAZEM MAL
ACHO PENA O PENSAMENTO ULULANTE DE SERES
QUE NAO ENCHERGAM O AMOR
MAS A VIDA CAMINHA E ANDA
E EU CONTINUO AQUI PRODUZINDO O BEM
A QUEM
PRODUZINDO UM SORRISO
A QUEM
E SUFOCANDO A TRISTEZA EM SORRISO


PAOLA VANNUCCI

Os Druidas e sua Doutrina da Imortalidade da Alma

Os Druidas eram sacerdotes e sarcedotisas dedicados ao aspecto feminino da divindade: a Deusa. Mas eles sabiam que todas as nossas idéias a respeito da divindade eram apenas parciais e imperfeitas percepções do divino. Assim, todos os deuses e deusas do mundo nada mais seriam que aspectos de um só Ser supremo - qualquer que fosse a sua denominação - vistos sob a ótica humana.Eles não admitiam que a Divindade pudesse ser cultuada dentro de templos construídos por mãos humanas, assim, faziam dos campos e das florestas mais suaves - principalmente onde houvessem antigos carvalhos - os locais de suas cerimônias. Os druidas eram parte da antiga civilização Celta, povo que se espalhava da Irlanda até vastas áreas no norte da europa ocidental, incluindo a Bretanha Maior e Menor (Inglaterra e norte da França) e parte do extremo norte da península ibérica (Portugal e Espanha). Dominavam muito bem todas as áreas do conhecimento humano, cultivavam a música, a poesia, tinham notáveis conhecimento…

Hildegard von Bingen

Imagem
Durante as trevas intelectuais da Idade Média, a Igreja Católica Romana era uma insituição patriarcal sedenta de poder e rigidamente machista. Mas, mesmo assim, alguns luminares femininos conseguiram se destacar, especialmente nos países germânicos. Entre estas mulheres, uma nos interessa especialmente: Hildegard von Bingen.Hildegard von Bingen viveu de 1098 a 1179, na Renânia. Ela foi uma extraordinária pensadora, uma grande filósofa e teóloga. Ela era uma freira que - coisa raríssima na época - fazia sermões públicos, que, além de atrair pela riqueza de conteúdo o povo de sua época, atraia multidões pelo carisma e pela grande beleza física que possuia, como podemos ver pelas iluminuras que a representam e pelos relatos sobre ela. Dentre outras qualidades, ela era compositora (suas músicas foram recentemente gravadas), escritora, médica, botânica. Era muito dada ao estudo. De certa forma, durante o reinado das trevas, ela possivelmente tenha sido a primeira cientista após a destruiçã…
A VOLTA DA CANÇÃO!!!!


Engraçado... risos....
A volta da canção me surpreende...
Não imaginava que a magia pudesse tomar conta do meu corpo sofrido
Mas agora vejo que voltou
Estou sorrindo
Nas lutas diárias me ausentava
Vi uma luz no final do túnel
Escutei da voz ao telefone
Que não sei se esta voz ainda quer de mim
Não sei dos sentidos
Mas platonicamente sei, risos mais.
Oh! vida bandida que me persegui
O platônico mais uns vês
E eu aqui conversando com a canção
Doce mistério do momento
Doce voz da Yves mais uma vez a me contemplar
Doce voz do telefone
Que de impulso me vez sonhar
Com o toque do piano agora imagino suas mãos me tocar
Doce magia em ser feliz por alguns segundos
Horas eu diria...
Suave voz que não me sai dos pensamentos
Delírio loucura
Sentir,
Quem sabe uma carência
O destino é único e traçado
Quem sabe
Mas com a força do pensar se muda qualquer destino
Doce voz ainda escondida
Apenas sei
Doce momento que me faz pensar, pensar e pensar....
A Yves repete a musica para nosso encontro.


PAOLA VANNUCCI
15-04…

HOMENAGEM DO MEU GRANDE AMIGO AROLDO.... QUE VENHAM MAIS POESIAS, A CULTURA NÃO PODE MORRER - AROLDO OBRIGADA!!!!!!!

O detetive e a moça
Aroldo José

Você é a única!
Foi o que disse o detetive
Que usava capa amarela
Para bela a moça
Que ele amava.
Ela era tão bonita
E se tornava mais bonita
Quando ficava indecisa.


A moça de chapéu,
Que era tão clara.
Sonhava com uma vida feliz
E calma assim como ela.
Ela queria uma vida burguesa
E um vestido de princesa.


Você é a única!
Ela sabe que ele disse a verdade.
Ele a quer para toda vida:
Dividir histórias,
Unir corpos suados,
Pagar contas
E levar as crianças na escola.


Ele lembra de quando a viu
Pela primeira vez.
Era dia de chuva,
Ela estava ensopada.
Ele lhe ofereceu um guarda-chuva.


Ela era tão bonita.
Ele lhe deu também o seu coração,
Seu jeito simples e honesto
Que fica sem jeito
Quando fala dos assuntos do coração.


Ele não disse que a amava
Porque é difícil explicar
O que se sente.
Porém acariciou seus cabelos molhados
E contemplou seus olhos claros.
Ela pensou o quanto ele era elegante.
O homem da capa amarela,
O homem que respeitava a lei
E fazia a chuva parecer
Um dia de primavera.


Você é a …

IMPROVISO

O REPOUSO DA NOITE
ENRIQUECE MINHA ALMA
DURMO COMO UM ANJO A ESPERA DO MEU AMOR
O RECANTO DOS MEUS APOSENTOS
É MAGICO COMO NOSSO AMOR
QUE CRUZA ESTRADAS, PONTES, RIOS, LAGOS
MAS SEI QUE MEU SENTIR CHEGA ATÉ VOCÊ
MEU DESPERTAR VEM COM O TILINTAR DOS SEUS SINOS
MEIGOS E SUAVES ME ACORDAM COM SEU DOCE PERFUME
AMANHEÇO O DIA SABENDO QUE TEM UM ANJO ME ESPERANDO
É A ESPERANÇA DO MEU SORRIR



PAOLA VANNUCCI
Sinto-me traída pela vida,
Em todos os sentidos, quero gritar neste momento, mas meu choro incontido resta-me a dor do meu coração.
Sinto-me abandonada de colo, onde choro sem ter fim meu desespero.
Num dia me exalto, mas vejo que fora em vão.
Noutro vejo a derrota
Pobre de mim, que luta em vão,
Não! Não quero me arrepender, tudo leva-me a isto, tudo me leva a isto.
Meu peito sufocado dói, meu corpo dói, meus olhos lacrimejam dor.
Até quando meu Deus?
Pergunto, até quando?
Não sei mais....
Vou parar por aqui!!!
Desculpem mas não sei mais meus sentimentos,
Desculpem,
É muita dor que sinto!

Primeiro de abril: o dia da mentira

Tudo começou em 1564, quando Carlos IX, rei de França, por uma ordonnance de Roussillon, Dauphine, determinou que o ano começasse no dia primeiro de Janeiro, no que foi seguido por outros países da Europa. É claro que, no início, a confusão foi geral, de vez que os meios de comunicação ainda eram inexistentes. Não havia rádio, televisão, nem mesmo o jornal, pois era a invenção da imprensa, por Gutemberg, só aconteceu muitos anos depois.
Antes de Carlos IX determinar que o dia primeiro de Janeiro fosse o começo do ano, este tinha início no dia primeiro de abril, o que resultou ficar conhecido como Dia da Mentira, por força das brincadeiras feitas com a intenção de provocar hilaridade.
Surgiram, então, as brincadeiras (que os franceses denominavam de plaisanteries) em todo o mundo, como a da carta que se mandava por um portador destinada a outra pessoa, na qual se lia o seguinte: "Hoje é primeiro de abril. Mande este burro pra onde ele quiser ir".
Seria um nunca acabar se fossem,…