domingo, junho 22, 2008

Questão de educação



A chamada para o Progresso e a Educação é algo que evidencia a todos, procurando sempre buscar o bem comum para quando envelhecermos ter a sensação do dever cumprido para deixarmos nossas heranças.
Não é isso que acontece.
Não é isso que vejo acontecer.
A humanidade vive em constante busca e constante falta. A carência tomou conta ao invés de objetivos e responsabilidade.
Um fato marcante ocorreu nesta última sexta-feira:

“Uma menininha que mora no final da rua apareceu no meu portão e pediu para minha filhinha acompanha-la até a padaria para comprar sabão em pó. Ai eu disse:
- Não!Não posso deixar duas menininhas soltas na rua para fazerem isso. Volte a sua casa peça a sua mãe que anote num papel o que ela quer que compre e mais tarde quando a minha filha maior chegar da escola ela vai lá e compra pra você.
A criança foi e voltou toda triste, e dizendo:
- Minha mãe quer que eu vá e sozinha. Mas tia estou com medo. E seguiu.
Estava trabalhando naquele exato momento e não podia largar a casa com as pessoas que permaneciam ali. E em questão de segundos a outra filha chegou da escola e pedi para que ela corresse e ajudasse a pobre com a tarefa que a mãe resignou a fazer”.



Sobre educação, sempre venho escrevendo aqui artigos que muitas vezes chocam e bloqueiam as pessoas. Só que o mundo está farto de tantas tentativas e soluções cabíveis para que possamos melhorar o futuro. Muito se fala em futuro, mas e o presente? Alguém já pensou? Sofremos pelo passado duro que nossos pais e avós tiveram, com as 1ª e 2ª guerra, anos de matanças desenfreadas de torturadores a sangue frio. Períodos políticos tenebrosos, onde se perseguiam quem tinham seus ideais de vidas... E por fim sofremos os sentimentos dos que já se foram e nos esquecemos que a vida continua e que tem de caminhar para um bem comum, a DIGNIDADE E A RESPONSABILIDADE, RESPEITO E OBJETIVIDADE e por ai vai. Não falo aqui que devemos anular todos os que já se foram, mas as pessoas que sofreram por algum ideal pensaram justamente em nós e em deixar algo que realmente valesse a pena, e nisto crescemos num certo conforto, onde os ideais não seriam mais importantes, e sim o consumismo e a falta de educarmos corretamente nossas crianças.
O que pensa uma mãe quando pede algo a seu filho, fazer e este ainda pequenino, chora por medo de virar a esquina e ir de encontro com um carro em alta velocidade, ou até mesmo de pessoas com más intenções?
Muitas vezes as crianças tentam ensinar seus pais do certo e errado, e muitos pais se esqueceram do que realmente aprendeu.
É a educação está abalada.
Somos todos pelo capitalismo e para o conforto de nós mesmos, pululando seres preguiçosos até em pensamentos.
Se fazem ginástica é porque graças a Deus tem a escola da Daiane dos Santos, se não o Brasil ainda não teria ginastas para oferecer ao mundo. Seriamos nada se não houvesse tais desejos do que não fomos. Buscamos dar aos nossos filhos aquilo que gostaríamos de ser, só que uma maneira errada.
Em tempos antigos os adultos educavam seus filhos como se eles fossem pequenos adultos, e várias gerações seguintes mudaram este conceito. Porque será que muitas mães impõem decisões de adultos a pequenas crianças indefesas e que choram por não estarem prontas a tais atos?
Porque a humanidade cresce e volte e maia busca no passado as respostas?
Agora estamos todos correndo contra o tempo para tentar salvar o planeta. Olha ai a tentativa novamente e milhões de pessoas morrendo sendo arrastados pela fúria da natureza. Milhões sendo devorados por acidentes com seus automóveis abafados pelo simples fato de ter um possante. Hoje o goleiro está em coma profundo, amigos meus e seus está em estado vegetativo. Pedimos isto? Isto é vida?
Temos de viver para o amor, crer no amor, ser amor, doar amor, contribuir amor.
Não é isso que acontece.
Somos hoje em dia uma sociedade carente.
E enquanto estivermos contribuindo para a carência, não formaremos cidadãos preparados para vencer na vida.

Paola Vannucci
22/07/2008

quinta-feira, junho 12, 2008

Dia dos namorados




Meu namorado é a vida, onde
Tenho muitas surpresas.
Dias são de sossêgo,
Dias são de desespero.
Não consigo viver sem...
Não posso acordar sem abraçar
Dormir sem beijar.

Meu namorado me perturba.
Explodindo com seu trilhar,
Sinto-me presa e com mais ação.
Sou bela quando produzo e
Ingrata quando induzo,
Roubo a cena.

Meu namorado, não traz o que quero.
Corro atrás porque faço necessário.
Ele manga dos meus sentimentos
Faz-me pedir.
Faz-me chorar.

Para meu namorado não tem perdão.
Todos os dias acordo...
Vivendo!
Abraçando!
Beijando!

Paola Vannucci
12/06/2008