quarta-feira, junho 24, 2009

Noite de São João

Mais uma noite de São João,
E a fogueira nunca apagara,
Nem tão rica, nem tão pobre.
Nem alegre e nem triste.
Nesta noite, seja pra felicidade,
Ainda o sinto.
Grande e formoso, penso:
Em como estaria?
Se ainda mantêm aquele sorriso.
É noite de grande festa,.
Festejo o que seria viver ainda ao seu lado.
O mantenho nos meus pensamentos.
O mantenho nos sagrados ensinamentos.
Em meu caminhar, seu nome herdado.
Sigo seus dizeres.
Simples e sublime.
Sigo seu trilhar, neste mundo bravo.
Nestas mentes turvas, sigo.
Nesta noite ainda que calma a chuvosa,
Lembro da dança de São João e do quentão.
Lembro do casarão vizinho,
Que encantava com largas janelas.
Bandeirolas agitadas, um afago no peito.
Crianças correndo,
Um tom de segurança.
‘É noite de São João’...
Seguíamos fantasiados e hoje paro em oração.
Só queria dizer:
Tive um Pai, tenho uma vida para contar.
Tive um Pai e segredos a ensinar.
Quero dizer:
Esteja onde estiver, o tenho ainda como meu herói!
Nos dias atuais a Noite de São João ainda brilha!
Mesmo que a saudades aperte meu coração.


Paola Vannucci
24/06/2009



terça-feira, junho 09, 2009

BURROCRATAS



Dias passados com amarguras.
Dias sofridos na desunião dos maléficos homens,
Que habitam este mundo.
Chega de fatos mundanos.
Chega de miséria.
Chega de cobiça de poucos.
Dias passados e nesta friagem,
Descobri que nada se pode ofertar,
A não ser decepções.
Dias corriqueiros, quando
Percebo olhares cada vez mais distantes,
Percebo o humano ausente da sua trajetória,
Percebo desatino nojentos de ordinários seres.
‘Gerentes’.
São gerentes de alguma coisa?
São mais do que alguém na fila supostamente preservada?
A cada um atendimento, entram quatro pessoas na rolagem elétrica,
Que não para nunca.
Freneticamente a fila caminha para engorda de poucos porcos.
Freneticamente, gerente de loja pisa em alguém,
Destrata a quem?...
Desordem, bagunça algo fora do natural, que não corrige,
Que chora.
Tempo inerte da razão conquista desenfreada do pagão,
Podres e fétidos gerentes, políticos,
Que brincam sobre os moribundos carentes,
Percebo muitas vezes,
A vida é uma burrice cheia de ‘burrocratas’.


Paola Vannucci
09/06/2009