terça-feira, junho 09, 2009

BURROCRATAS



Dias passados com amarguras.
Dias sofridos na desunião dos maléficos homens,
Que habitam este mundo.
Chega de fatos mundanos.
Chega de miséria.
Chega de cobiça de poucos.
Dias passados e nesta friagem,
Descobri que nada se pode ofertar,
A não ser decepções.
Dias corriqueiros, quando
Percebo olhares cada vez mais distantes,
Percebo o humano ausente da sua trajetória,
Percebo desatino nojentos de ordinários seres.
‘Gerentes’.
São gerentes de alguma coisa?
São mais do que alguém na fila supostamente preservada?
A cada um atendimento, entram quatro pessoas na rolagem elétrica,
Que não para nunca.
Freneticamente a fila caminha para engorda de poucos porcos.
Freneticamente, gerente de loja pisa em alguém,
Destrata a quem?...
Desordem, bagunça algo fora do natural, que não corrige,
Que chora.
Tempo inerte da razão conquista desenfreada do pagão,
Podres e fétidos gerentes, políticos,
Que brincam sobre os moribundos carentes,
Percebo muitas vezes,
A vida é uma burrice cheia de ‘burrocratas’.


Paola Vannucci
09/06/2009

7 comentários:

Neneca Barbosa - Um ser humano em evolução! disse...

Amiga, parabéns pelo texto.
Que bom se muitos conseguissem ler!
Beijos!

Mago disse...

já conheço seu talento... e admiro muito você também.
Sei que reflete-se nas estrelas!
Um grande beijo a voce linda poeta da alma...

Nivaldo Dos Santos disse...

Ola Paola.

Mais do que nunca, voce se mostra uma pessoa iluminada. É muito bom ler as suas poesias e reflexões. É voce com suas poesias e eu com minhas aulas, minha musica que são as coisas que preenche meus dias e minha vida. Não pare nunca e continue sendo essa cabeça maravilhosa que eu aprendi a amar e respeitar. te admiro muito mesmo.

Beijos do amigo

Paulo Borgs

Harold disse...

Paola!
Infelizmente, o mundo, nem sempre, é do jeito que acreditamos que deveria ser. Mas isso não nos impede de continuar a ir contra-corrente. Se a ordem é tratar as pessoas e as coisas com indiferença, nós continuaremos a fazer o discurso em nome do amor, da afetividade, da coisa boa.
Dou minha palavra que não aceitarei a banalização de nossa humanidade.
Abraços e beijos esperançosos num mundo melhor.

Philip Rangel disse...

Qm nunk passou por isso ne paolinmha.....temos q ler mesmo pra crecer..senao tornamos burros e absoletos...


bjao saudades

Anônimo disse...

INFELIZMENTE A COISA TÁ CADA VEZ PIOR E TU RETRATA ISSO MUITO BEM ... CADA VÊZ MELHOR ... BJS / PROF. WASHINGTON / LELÉ

Dea disse...

BURROCRATAS que brincam com nossas vidas... queria saber o que se passa na cabeça deles além de dinheiro... por que para isso mexem em coisas que jamais imaginam a dimensão que têm... a vida do outro não importa...