sexta-feira, agosto 17, 2007

PALMADAS

As palmadas me dizem
O quanto de verdade pude entender, mas não acreditei
Anos se passaram e eu insistindo
Cheguei ao meu limite
Triste fim de anos jogados fora
Triste por eu não ter mais base e ainda só estou
Sem ninguém ao meu lado que me diz e me de coragem
Sem alguém que me conforte
Sem um par a dançar
É engraçado
Busco e nada encontro
As palmadas persistem, querem me dizer algo, mais uma vês me repreendo.
E nula fico
Quero distância do mundo e sinto medo
A solidão me dá medo
Mas mesmo nestes anos me sentia só
A solidão é uma tortura
Mas nestes anos não tive cúmplice dos meus atos
A solidão me persegue, mas nestes anos nada se construiu.
A solidão me mata aos poucos
O caminho escolhido não serviu-me de nada, permaneço triste e ainda mais
Cada vez mais sozinha
Deus peço uma palavra, peço uma alegria
Peço para que me cuide
Meu peito dói mais uma vez,
Peço para que não me deixe só
A solidão me tortura a cada minuto.
A palmada ainda me assusta no cérebro.


Paola Vannucci
17/08/07

The Smiths - I now it's over


11 comentários:

Fabiana Borges disse...

"Deus peço uma palavra, peço uma alegria
Peço para que me cuide"

me senti bem aí ! :(

bjos querida..

some mto não!

carla granja disse...

olá amiga! afinal não estás tão só como imaginas. eu tmb ando a levar dessas palmadas faz tempo. nao te sintas só e apesar dessas palmadas continua pedindo a Deus k ele te vai ouvir com toda a certeza. já olhaste para o teu lado? ás vezes pode estar o teu grande amor mesmo junto a ti e tu ainda não o teres visto. se kiseres conhecer o meu blog vai a http://paixoeseencantos.blogs.sapo.pt o meu blog é feito com poemas de minha autoria e tmb têm videos.
bjo,amiga e um bom domingo para ti
carla granja

Menina do Rio disse...

Palmadas? eu achava que isso era coisa de mãe em nossa infância, pq a vida não dá palmadas, e sim, PORRADAS mesmo! E são muitas, levando-nos ao limite. Mas não estás só...

Beijos

Fabrício Brandão disse...

E a poesia é isso... algo feita de memórias, sejam boas, sejam indesejáveis. Entre a dor das "palmadas" da vida, a cura pela palavra que hoje liberta.

Beijos, querida!

Leila Lopes disse...

Um dia descubra a poesia da solidão que te faz chegar mais perto de você mesma.
Beijo, querida.

Denise disse...

Poesia quanto mais triste, mais linda...
beijo amiga, fique bem, fique com Deus!

TiBéu disse...

Olá Victor, pois já não passava por aqui a algum tempo. ups passou-me mesmo e tambem estive de férias.
Como vai a tua saude?
Parabens Victor pelo teu blog, cada vez mais lindo, este post está lindo, lindo, poema maravilhoso. Até breve e continua assim a postar coisas linda. bj de amizade

Paola Vannucci disse...

Tibeu,

vc errou o nome, rsrsr

Me chamo PAOLA,

MAS VOU JA VER AS MARAVILHAS DO SEU BLOG

MY NAME IS PAOLA

KKKKKKKKKKKKKK

Bia disse...

Muitas vezes, amiga, as 'palmadas' da vida são 'sinais' para direcionar outros rumos, abrir novas possibilidades, mostrar diferentes perspectivas.

Um poema lindo, com jeito de desabafo/oração, que comove e enseja nossas próprias reflexões.

Pétalas te deixo, um beijo no coração também, e muitas saudades.

Harold disse...

Parabéns por ter escrito este texto tão bonito.
Abraços!

rui disse...

Olá Paola

É um texto muito forte, muito sentido, onde se nota um pouco de tristeza e medo de solidão.
É de um realismo tal, que nos toca profundamente.

Grande abraço, Paola
Beijinho