Epidemia




Epidemia
Pandemia
Gripe mania
Mascarados injustamente,
Desmascarados insanos,
Desmascarados e covardes homens,
Que desvirtua seus sonhos,
Descarados homens que não cumprem suas palavras,
Mas quem morre são crianças impotentes,
São mulheres que luta o pão de cada dia.
Sociedade maldita que acaba com os mascarados.
Porque os desmascarados,
Escancaram sua podridão na guerra fria jamais acabada.
Mortos estarão nas suas intenções abutres.

Epidemia,
Pandemia,
Tortura,
Ouvidos fartos,
Corpos dormentes,
Febres aterrorizantes.
Fedentinas a céus abertos,
Em dois dias morrem milhões pelo mundo,
Um a mais dois a menos, cinco por se vingar, seis para matar,
Vida pulsante,
A sociedade esbarra sempre no perigo,
Nobres ‘poderosos’ esmurram carnes necrosadas.
Pobres povoados choram a míngua diante da,
Epidemia,
Pandemia,
Mania,
Morte!


Paola Vannucci
31/07/2009

Comentários

Neneca disse…
Amiga, excelente texto! Obrigada pela visita no meu Blog.Beijos!
david santos disse…
Olá, Paola!
Realmente, um grande trabalho. Adorei tudo o que aqui tens no teu blogue.
Parabéns.

Abraços e tem uma boa semana.

David Santos
Daniel Aladiah disse…
Querida Paola
Estás triste e preocupada, como sempre... É preciso que revigores as tuas forças para dares alegria ao mundo, como sei que és capaz de fazer.
Um beijo
Daniel
E o Homem continua lobo do Homem!

Beijos, querida!
Harold disse…
Querida Paola!
Apesar das dores, seguimos em frente.
Beijos!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Homenagens aos pais - Minha formatura

Isadora Duncan (americana, 1878-1927 :: bailarina)

A Cor que Chama Sua Atenção