A minha volta


Vejo um mundo a minha volta,

Que não condiz com o que sinto.

A Bomba de Hiroxima deveria acabar com a Terra,

Mas dias bonitos de domingo,

Invadem o mundo.

Não os meus e

Sim para os amantes dos parques,

Após deixarem seus lixos em noitadas decadentes.

Vejo um mundo torpe,

Onde ‘grana’ grita a gana de cada ser.

Pobreza está na mente, e,

Se não me sobra ‘algum’?

Não abro janelas ao vento,

Ficaria exposta no desabar de cada prédio.

Varreria corpos dos escombros,

Do mundo nada me consola, e

Estouvados sobre asfaltos,

Vórtices indeléveis, febris seres,

Que nada produzem.

A esperança é perdida,

Ao escutar arengas nos palanques.

Vejo ínvias mentes conquistando o pão da pobreza.

Estou numa bola de neve que degela

A cada morte sofrida,

Enquanto nos ‘UFC’S’ a violência é

Instigada e aplaudida como se fossem mártires dos desertos.

AH! Vida minha!

Sei que sobreviverei das minhas palavras,

Escondendo-me, sem que me vejam,

Nas tais afirmações minhas.

Sofrendo cada dia, vivenciando

A banalidade que o mundo passa

Flanando por covas sem fundo.

Paola Vannucci

29/01/2012

Comentários

cristiane disse…
um dos mas lindo que li teu. parabéns bjs de luz.
L. Rafael Nolli disse…
Paola, lindo poema. Me pareceu daqueles poemas sinceros, sentidos!
Abraços!
shashi disse…
Poema muito bom.
"O sofrimento todos os dias ..." Realidade bruta do dia.
Shashi
Wellington Rex disse…
Você está se reinventando e, assim, se superando a cada dia! Whitman deve estar em júbilo lá em seu jardim celestial.
BLOG DO VALMON disse…
Minha amiga Paola,
esse é o melhor poema seu, pois é também como eu penso. Lindo mesma minha querida, mil bjs e abraços..
Valmon
26/08/12

Postagens mais visitadas deste blog

Homenagens aos pais - Minha formatura

Isadora Duncan (americana, 1878-1927 :: bailarina)

O preço da honestidade