Nestas horas



Nos expressamos como devemos
Sem medo, nem restrições,
Apenas nestas horas.
Marcamos linhas vazias
Com palavras verdadeiras,
Nestas horas.
As palavras exprimem os rumores devidos
E observados a apenas
Quem me quer ler,
Apenas nesta hora.
Não traduzo o que senti,
Ao ler o que li.
Lamento tantas perdas,
Que se vão sem nem me dizerem um ‘Até logo’,
Não sei se estou feliz,
Meu pensar chora
A cada minuto que leio o jornal.
Percebo que mais uma estrela chegara ao céu.
Leio e me arrepio,
Soltando gotas de lágrimas,
Nestas divinas horas.

Paola Vannucci
17/12/2011

Em memória Cesária Évora, Sérgio Brito e Joãozinho Trinta.

Comentários

Wellington Rex disse…
Melancolicamente lindo. Parabéns!
Bom dia Paola!
Senti saudades e vim ao seu encontro.Que poema mais significativo. Também sinto pelas perdas de todos os dias, principalmente os jovens.
Desejo um Natal mais fraterno para todos nós!
beijos!
anacastrucci@hotmail.com disse…
Prezada Paola
Meu nome é Ana Maria Castrucci, ex-aluna e amiga do Prof Erasmo Garcia Mendes da Universidade de São Paulo. Acredito que você seja neta do Prof Erasmo. Se for, por favor entre em contato comigo, pois estou escrevendo um capítulo sobre o Prof Erasmo para ser publicado em livro da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Gostaria muito de entrevistar o Geco e o Claúdio para a redação da parte mais pessoal do artigo. No entanto perdi o contato com eles e precisaria da sua ajuda para isso.
Abraços
Ana Maria
Belíssimo!
Sempre tocando o coração de toda gente...
Parabéns, poeta!
Carmen Amorim disse…
Olá amiga,
Seus poemas como sempre marcantes...Bjs!!!
Feliz 2012

Postagens mais visitadas deste blog

Homenagens aos pais - Minha formatura

Isadora Duncan (americana, 1878-1927 :: bailarina)

A Cor que Chama Sua Atenção