Moçada, leiam isto, amanhã dou meu parecer

Mas adianto, os militares todos deveriam serem banidos e torturados deste país, assim como eles atrocidaram famílias inteiras.
amanhã dou meu parecer...

A todos os militares que assolaram o Brasil, merecem a morte!!!!!!!!!!!

PELA 1ª VEZ, MILITAR VAI RESPONDER POR CRIMES DA DITADURA


Coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra é acusado pela família Teles, que teve duas crianças torturadas


Ardilhes Moreira, do G1, em São Paulo entre em contato

Pela primeira vez no Brasil, um militar de alta patente será colocado no banco dos réus por crimes de tortura cometidos durante a ditadura militar. O coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, que atuou no Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), em São Paulo, será julgado na quarta-feira (8), a partir das 14h. O coronel vai responder a uma ação declaratória movida por Maria Amélia de Almeida Teles, integrante da Comissão de Familiares Mortos e Desaparecidos, que foi presa e torturada com a família em São Paulo. De acordo com Amélia, a família não quer indenização do Estado ou prisão para o coronel. "É uma ação de efeito político, que vai trazer reconhecimento de que um coronel do Exército, na época major, era torturador", explica Amélia. Segundo a assessoria de imprensa do tribunal, o juiz aceitou a ação porque ela não é limitada pela Lei da Anistia. O ação será julgada em um juizado cível, que trata da responsabilidade sobre atos e direito sobre bens. Na interpretação do tribunal, a Lei da Anistia impede apenas que ela seja julgada em um juizado criminal, que apura responsabilidade sobre crimes.
O julgamento é inédito no Brasil, de acordo com entidades de defesa dos direitos humanos e a Secretaria Especial dos Direitos Humanos. "Não tenho conhecimento de outro caso. O crime de tortura é imprescritível, pode ser alegado a qualquer momento e a qualquer tempo", diz o advogado Lúcio França, membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB e do grupo Tortura Nunca Mais.
No julgamento, vários ex-presos políticos prestarão depoimento. "A intenção maior é o esclarecimento do que ocorreu naquela época”, afirma Amélia. Segundo França, o caso pode abrir jurisprudência, ou seja, se tornar referência para processos semelhantes. "Isso vai dar margem para que outras pessoas que foram torturadas denunciem militares", disse França.
Maria Amélia quer provar definitivamente que ela, o marido César, a tia Criméia Almeida e os filhos Janaína e Edson foram torturados em uma unidade do Doi-Codi onde o comandante era o coronel Ustra, também conhecido como "Tibiriçá". Na época, os filhos tinham tinham 5 e 4 anos.Na época, Amélia era integrante do Partido Comunista e atuava na imprensa alternativa. Ela permaneceu dez meses presa, o marido cinco anos e os filhos passaram alguns dias com ela no DOI-Codi até serem entregues para familiares em Minas Gerais. Ela conta que no período sofreu todos os tipos de violência comuns no período: cadeira do dragão, pau-de-arara, palmatória e afogamento.CoronelUstra é um dos fundadores do Terrorismo Nunca Mais, ONG criada em 1998. O grupo é uma espécie de "oposição" ao grupo Tortura Nunca Mais e, em seu site, apresenta uma defesa das políticas adotadas durante o período militar. O coronel reservado lançou neste ano o livro "A Verdade Sufocada". Segundo a resenha oficial, o autor "procura desfazer mitos, farsas e mentiras divulgadas para manipular a opinião pública" a respeito da ditadura.
AberturaPara o advogado Lúcio França, o julgamento é um passo importante na responsabilização dos militares envolvidos nos casos de tortura. Segundo ele, o número de possíveis reús chega a centenas. Ele destaca que em outros países da América Latina já ocorrem punições e o Brasil é um dos mais atrasados.

Comentários

célia musilli disse…
Precisa ser julgado sim, embora eu ache tão trsite termos que ficar revirando esta nossa nefasta memória política. Mas as famílias que sofreram tanto merecem uma explicação, mais que isso, justiça.. Um beijo Paola
Carlos disse…
Paola, minha doce e amada amiga,
você bem sabe que vivemos num mundo bem injusto e irracional. Gostaria de crer que os verdadeiros culpados seriam condenados, mas lembre-se de que a verdadeira jsutiça, apenas a divina, o resto são paliativos, maus paliativos por sinal, faz muito tempo que a Justiça não tem mais a venda nos dois olhos, foi depois dessa descoberta é que abrimos também os nossos olhos para as injustiças ao redor, e o pior: nos acostuimamos com essas injustiças. Lembro-me de um poema de Drummond, não sei ao certo as palavras, mas o sentido, espero que você se lembre, algo tipo assim: "Primeiro eles entram em nosso jardim a noite e nos roubam uma flor e não falamos nada, depois eles voltam e arracam nossas flores e pisam nossa grama e não falamos nada.... por fim entram em nossa casa.... e já não podemos falar nada". Precisamos abrir os olhos e a boca e fazer nossa parte também: sempre.
Beijos no seu coração, obrigado pelo convite e pela bela reflexão. Já lhe disse que te amo hoje???? Não!!!! TE AMO!!!! Bacci milli, minha doce amiga
Que bom seria se todos aqueles que cometem atrocidades, crimes contra o povo e CORRUPÇÃO fossem levados a tribunais, julgados e condenados pelos delitos cometidos... Pena que muita coisa que se vê, não passa de cena, infelizmente, acaba sendo um grande teatro onde o protagonista é a impunidade!

Bela reflexão!
Navi Leinad disse…
a justiça tarda, mas... (?)

Postagens mais visitadas deste blog

Homenagens aos pais - Minha formatura

Isadora Duncan (americana, 1878-1927 :: bailarina)

O preço da honestidade